67
183 shares, 67 points

Como alguns devem saber, todo ser humano, independentemente do sexo de nascimento possui algumas características andróginas, pelo menos é assim do ponto de vista embrionário. Até a nona semana de gestação, o feto não possui um sexo definido. Nesse estágio, ficamos aguardando a liberação do hormônio que determinará nosso sexo (como gênero). Definido o sexo, nossos órgãos genitais são espelhos (côncavos e convexos) do sexo oposto. Depois disso é só recordar das aulas de biologia do ensino fundamental. Lembram? XX = nasce uma menina; XY= nasce um menino…

Até aí nada de novo.

Ocorre que se a dosagem desse hormônio não estiver calibrada, poderão ocorrer alguns “percalços”, que acabam por fim, desviando um pouco o curso dessa harmoniosa e complexa cadeia da origem da vida.

Agora imagina só a história de uma pessoa que “nasceu” duas vezes!? Nos anos 60, como uma menina e 14 anos depois, como um menino!? Essa é premissa inicial do fenomenal romance “Middlesex”, reeditado recentemente pela Companhia das Letras.

SexM

Logo após o destacado sucesso de “As Virgens Suicidas”, seu romance de estreia, Jeffrey Eugenides, se recolheu para a construção do viria a ser pelo menos para mim, o seu maior e melhor livro. O autor de ascendência grega e irlandesa tomou posse não só de aspectos biográficos e de familiares para encorpar o enredo do título. Durante essa reclusão, o autor ainda se mantinha ativo publicando algumas crônicas e contos em revistas dos EUA, mas foram necessários nove anos para construir e entregar a saga de Calíope Stephanides, uma garota (vou inicialmente tratá-la assim) de origem grega, que nos brinda com uma narração rica, plural e absurdamente envolvente sobre toda a sua vida e seus “nascimentos”. Indo desde a origem de tudo, quando seus avós em pleno deleite convenientemente carnal comentem incesto, até a jornada do gene remissivo que atravessa três gerações para por fim, escolher o quinto cromossomo de Callie, para transformar não só sua portadora, mas praticamente todos que lhe cercam.

Livros que seguem pelo estilo narrativo em primeira pessoa são mais atraentes e de fácil apreciação, mas daí cabe ao escritor ter habilidade e sutileza para incorporar veracidade ao relato e ao personagem. Afinal, temos a sensação que o narrador está nos contando diretamente àquela história. E é justamente aí, que Eugenides se sobressai, nos apresentando em mais de 500 páginas uma prosa elegante, intimista e muitas vezes poética sobre a tragicômica saga da família Stephanides, deixando o romance com o quê imediato de clássico.

Tudo isso claro, entrelaçado com fatos históricos, sociais e culturais de quase um século de história contemporânea. A invasão Turca, a ascensão de Detroit, os conflitos raciais dos anos 40, a formação da cultura americana em contraponto a perspectiva grega, tudo isso só enaltece o romance com propriedade e dinamismo.

Toda a transmutação de Calíope em Cal nos é apresentada paulatinamente. Para que não fique banal ou gratuito, Eugenides lapida todas as nuances da narrativa com um fluxo entre passado e presente tirando todo e qualquer vestígio de algo caricato. Longe de ser redundante, o título detalha os mais simples e importantes acontecimentos na vida de Cal de forma prazerosa, desde suas aventuras e amizades na terna infância às típicas descobertas da adolescência. E é nessa transformação que está a excelência do romance, pois apesar do invólucro externo feminino, sua personalidade sempre denota algo de viril, suas primeiras experiências sexuais e todo o seu questionamento pela opção sexual investida denotam claramente isso.

Quando adulto já se faz homem e trabalha na embaixada dos EUA em Berlim, mas ainda assim é um ser fragmentado pela dualidade dos gêneros. Sua profissão lhe resguarda a segurança da despedida, pois a cada temporada, ele sabe que estará em outra localidade e toda e qualquer relação afetiva formada, logo se desfaz.

Todos somos feitos de muitas partes, de outras metades. Não apenas eu.

Segundo o mito, Hermafrodito era filho de uma relação extraconjugal entre Hermes e Afrodite. Logo após o seu nascimento, Afrodite o entregou as ninfas do monte Ida. Durante a adolescência, Hermafrodito deixa o monte e segue andando a ermo pelos campos e encontra um lago límpido que o fascina. Acontece que o lago estava sob proteção de Salmácia, uma náiade que vivia ociosa e só se dava ao trabalho de exaltar a si mesma.

JEAN-FRANÇOIS DE TROY (PARIS 1679-1752 ROMEQuando a ninfa o viu, ficou extasiada com tamanha beleza e o cercou de todo jeito. Como ele não conhecia a lascívia e a insistência desses seres ele a rejeitou.

Então, passado um tempo e acreditando estar sozinho, Hermafrodito resolveu banhar-se no lago, porém quando Salmácia o viu nu, não resistiu à tentação e foi voluptuosa ao encontro do deus, que tentava a todo custo desvencilha-se dela. Em meio a esse jogo, a ninfa já enlaçada em Hermafrodito clamou aos deuses para nunca separá-los. E assim foi feito. Os dois seres se fundiram, se tornando nem homem nem mulher, mais os dois em um só. Que não tem um sexo, mas todos.

Cal é intersexual. Ou seja, no caso é biologicamente um homem, mas criado como uma mulher. Uma pseudo-hermafrodita. A origem para o livro veio da leitura das memórias de Herculine Barbin, uma hermafrodita francesa que teve sua vida contada por ninguém menos que Michel Foucault. Callie/Cal possui uma anomalia, uma “transmissão autossômica de características recessivas“, uma mutação genética 5-alfa-redutase que é esmiuçada de forma clara e até didática, que nada perde para livros de cunho científico. Todos os aspectos inerentes ao duo Callie/Cal estão presentes no livro desde o fisiológico ao social. Nada passou despercebido. Mais um ponto para o Eugenides.

Middlesex

Esse fascínio e oposição entre os gêneros já remetem e inspiram nas mais diversas formas. Em 2007, chegava a poucas salas de cinemas o filme brasileiro XXY, nos anos 70, David Bowie era Ziggy Stardust e bem antes disso, Tirésias passara sete anos transformado em mulher ao matar uma cobra fêmea durante uma cópula.  Associações a parte, Homero no início do seu poema épico a Odisseia, pede inspiração as Musas, Eugenides segue o rito e homenageia Calíope como sua musa. Afinal, ela era a mais velha e mais sábia das nove e à ela é atribuída o dom da poesia épica, da ciência e da eloquência. Coincidência?

Não há sobreposição entre masculino e feminino na linguagem de Middlesex, o que há de fato é uma inteligente e bem construída oposição entre vozes. Assim como O Pintassilgo, Middlesex também foi agraciado com um Pulitzer, não que qualquer premiação seja um atestado de excelência, mas estes títulos são exemplos de uma narrativa intrincada, original e única na literatura.

Um enredo magistral que transita entre inúmeros sinônimos e antônimos. Arrojado e delicado, engraçado e comovente. Uma narrativa sofisticada que exemplifica aquela proposta mais simples que todo livro tem: contar uma história.

É assim que as pessoas vivem… – à base de histórias. Qual é a primeira coisa que uma criança diz quando aprende a falar? “Me conta uma história.” É assim que compreendemos quem somos, de onde viemos. Histórias são tudo. 


Gostou desse artigo? Compartilhe com seus amigos!

67
183 shares, 67 points
Leandro de Matos

Legend

Escolha um estilo de post
Post padrão
Postagem padrão, com formatação de textos e imagens
Lista
Listas clássicas da internet
Vídeo
Youtube, Vimeo ou Embeds do Vine
Imagem
Fotos e imagens
Gif
GIFS
Quiz
Série de perguntas com respostas certas e erradas que pretende verificar o conhecimento
Votação
Votar para tomar decisões ou determinar opiniões
Lista aberta
Envie seus próprios ítens e vote nos melhores envios
Listas por ranking
Clique acima ou abaixo para votar nas melhores listas
Meme
Faça upload de seus imagens e crie memes próprios