72
72 shares, 72 points

Franca, 16 de Setembro de 2013 – Há exatamente um ano atrás, eu estava prestes a conhecer aquilo que iria mudar todo o curso da minha vida. Estava prestes a conhecer a minha salvação. No dia 27 de Dezembro de 2012, eu e a minha esposa (era namorada na época), estávamos no calor no início de um relacionamento, onde ambos se parecem coelhos toda vez que não tinha ninguém por perto, estávamos grudados. Eis que nesse dia, concebemos o que viria a ser a melhor coisa da minha vida. Foi no dia 27 de Dezembro que a vida da Amélie começou.

Até hoje não cai na real como duas pessoas conseguem “produzir” uma terceira. Sei da divisão celular, óvulos, espermatozoides, etc, já decorei as explicações científicas, mas ainda não consigo entender como nasce um ser tão perfeito, que aprende sozinho, que consegue aprende a se espelhar nos pais e aprender muitas coisas sem ter nenhum tipo de explicação.

1233588_214602822037253_1952472081_n

Vamos voltar ao início. Foi no dia 5 de Fevereiro que tivemos a confirmação oficial (teste médico) que eu realmente seria pai. Foi difícil decifrar se eu estava com medo, desesperado ou extremamente feliz, acho que esses três sentimentos se mesclaram e apareceu um novo sentimento sem nome até o momento. Antes eu odiava crianças, devo confessar. Nunca tive paciência ou gosto por tal, mas nesse dia que tive a confirmação, parece que mudou na hora, eu já amava minha filha como nunca amei ninguém, e já tinha o maior respeito e curiosidade sobre as crianças. Passei a observar o comportamento das crianças na rua, shop, etc, pra ver se conseguia aprender como cuidar, como conversar, como me portar diante delas.

Entrei em milhares de grupos no facebook e fóruns de mães, isso é horrível, porque não achei nada que fosse exclusivo para pais, mas tudo bem, eu estava disposto a ser mãe e pai da minha bebê, assim como minha esposa estava disposta a ser pai e mãe. Lembro muito bem que estava super participando de um tópico onde as mães mandavam fotos da fralda do bebê cheia de cocô e explicava como identificar se ele estava com algum problema. Entre outras coisas estranhas, que me serviu muito futuramente.

A ficha ainda não havia caído, foi difícil acordar e aceitar “vou ser pai”, as vezes parecia um sonho, ou algo distante, mas alguns minutos depois de despertar, eu via que isso era um fato, que a minha criança estava a caminho de verdade. Foi ai que a linha entre depressão e felicidade ficou ainda mais tênue. Chorava e ria ao mesmo tempo, mas o desespero foi ainda maior, ativou minha ansiedade e consegui ganhar 30kg durante a gestação da esposa. Meu medos eram: Será que minha filha vai gostar de mim como sou? (não digo fisicamente) Será que terei dinheiro suficiente para dar tudo que ela precisa? Será que conseguirei educá-la de uma forma que ela levará para o resto da vida? Como irei pagar cursos de ingles/ballet/futebol/computação/astronomia…? Será que não sofrerei nenhum acidente enquanto estiver com ela?

As dúvidas acimas foram me deixando muito pra baixo, fiquei muito mal e minha forma de “fugir” era comer, comer, comer comer, comer. Engordei kilos que até hoje não consegui perder, e muitas dessas encanações continuam comigo, principalmente a parte que envolve dinheiro. No momento é: Estou sem dinheiro para colocá-la em uma escolinha, e agora?

Não sei os outros pais, mas essas coisas eu considero como um lado B da gravidez. Não é tudo mil maravilhas como você lê por ai, não que seja ruim, mas no meu caso, acabou comigo. Em contrapartida, a felicidade de saber que um serzinho estava para nascer, contagiava e me fazia esquecer tudo isso por algumas horas.

Nesse meio tempo, eu e minha esposa (somos fotógrafos por profissão), começamos a registrar tudo que acontecia, todos os momentos, pois eu acredito que a foto eterniza sentimentos, quando vejo uma foto antiga, principalmente as que eu cliquei, consigo sentir pelo menos 90% do que eu senti no momento em que estava vivenciando.

E então começaram os ensaios:

Enquanto o tempo estava passando, precisávamos alugar uma casa, comprar todo o quartinho do bebê, e outra vez veio a questão da grana. Sorte que tivemos uma grande ajuda de toda família para que isso fosse possível, obrigado!

Outra questão eram os nomes, precisávamos decidir um nome para mulher e um pra homem antes de fazer o ultrassom morfológico e descobrir o sexo. De início escolhemos Anakin para homem e Padmé para mulher. A decisão foi meio unânime (entre mim e a esposa, a família ficou criticando, como sempre).

Chegou o dia do ultrassom:

IMG_3532É MENINA, disse o doutor.

O nome estava decidido, Padmé. Filha, se você ler isso em algum momento da sua vida, será uma grande revelação, você iria ter outro nome hahahah =)

Poucos dias antes do parto, resolvemos mudar para Amélie (sim, de Amélie Poulain). E ela nasceu com muita cara de Amélie mesmo, foi uma boa escolha.

Chegou o grande dia! Mas eu ainda não sabia hahahahah

A Djuly (esposa), teve algumas complicações durante a gestação, ela teve muitos problemas com pedras no rins, então era comum passarmos noites intermináveis no hospital com ela grudada no soro e remédios.

Eis que no dia 16 de Setembro, ela foi A PÉ para o hospital, devido a uma dor que estava sentindo e julgou ser os rins. Eu estava no meu estúdio trabalhando, fotografando alguma coisa que eu não lembro mais o que era. Ela me ligou, disse que estava com dor e que iria a pé ao hospital, eu disse que tudo bem, afinal, moramos a três quadras de distancia do mesmo, é bem pertinho.

Uns 40 minutos depois que ela fez essa ligação dizendo que estava indo para o hospital, eu recebo uma segunda ligação, onde ela apenas disse: “ESTOU NA SALA DE PRÉ PARTO, VENHA PARA O HOSPITAL, NOSSA FILHA VAI NASCER”.

PUTAAAAAAAAA QUE P***************************************************************

GELEI.

Deixei tudo no estúdio, inclusive chave de casa, documentos, etc e sai correndo de moto (sem a cnh que também ficou no estúdio). Não sei nem como lembrei de colocar o capacete. Até chegar ao hospital, quase bati em 4 carros, por pouco não cai outras vezes e olha que o hospital fica apenas 10 minutos do meu trabalho (de moto).

Cheguei lá e tive que aguentar toda burocracia, a *&¨*&&$$ da atendente da recepção não queria chamar o médico da minha esposa, disse que teria que fazer com o médico de plantão. Não que eu duvidava da capacidade dele (mas ele veio fazer merda depois), mas queríamos que o obstetra fosse o mesmo que nos acompanhou durante os 8 meses de gestação (sim, ela nasceu um pouco antes da hora).

Depois de 1:30 negociando, a mulher resolveu ligar para o nosso obstetra (juro que até hoje não entendi o motivo dela não querer ligar, afinal, foi tudo particular, pagamos quarto, médico, tudo). Até esse momento, foi esse médico do plantão que estava cuidando (alias, cuidar mesmo ele não cuidou nada). Chegou o médico da Djuly e na hora ele disse pra eu correr em casa e pegar todas as coisas dela pois teria que fazer um parto de urgência, que ela não poderia esperar mais (se tivéssemos esperado esse médico do plantão, hoje eu não estaria escrevendo essa postagem, aliás, até poderia estar escrevendo, mas descrevendo uma ação judicial e toda minha tristeza).

Foda-se essas partes ruins, vamos lá.

Corri em casa, não conseguia achar absolutamente nada, estava em prantos e desesperado, tanto que o obstetra me ligou para tentar me acalmar ahhahahaha

Cheguei no hospital de novo faltando metade das coisas que eu precisava levar, estava apenas com uma mala que encontrei que não tinha quase nada dentro e todos meus equipamentos fotográficos.

AHHH, falando nisso, tive que abrir uma ação judicial contra o hospital que estava praticando venda casada com uma empresa terceira e não queria deixar eu fotografar o parto da minha filha, mas felizmente eu ganhei e consegui a autorização).

IMG_6768Como podem ver, eu estava portando um grande poder de fogo.

Na salinha que me colocaram pra eu colocar a roupa para entrar na sala de cirurgia, parecia que o tempo não passava nunca, foram os 30 minutos mais longos da minha vida, onde fiquei tuitando sem parar e roendo toda minha falange distal.

A enfermeira entra e diz: “Sua filha já vai nascer, vamos para o sala de cirurgia”.

Não sei como consegui andar nesse momento, mas de alguma forma, cheguei até essa sala, dei um beijo na esposa e fiquei no local que haviam separado pra eu poder fazer as fotos. Aguardei fazerem o corte, e alguns poucos minutos depois…

1237824_220632598100942_1036882702_n

Essa é a primeiro foto da pequena Amélie <3

45970_221143238049878_323309887_nComo ela nasceu de cesária, ficamos dois dias no hospital antes de ir para casa.

IMG_7042A partir de agora terei que fazer uma segunda postagem contando como foi esse 1 ano com linda Amélie.

Feliz aniversário filha, o papai te ama muito, minha melhor amiga <3

Para acompanhar um pouco mais da minha pequena, curta sua fan page: http://facebook.com/AmelieMendesEngel 

http://youtu.be/SOFYxKtk31I?list=UUW3qzLPclWqPVFNTj3PkQHQ

http://youtu.be/fI82GzjhmNA?list=UUW3qzLPclWqPVFNTj3PkQHQ

 

 


Gostou desse artigo? Compartilhe com seus amigos!

72
72 shares, 72 points
Rafa Gnomo

Legend

Meu nome é Rafael Mendes, tenho 31 anos, sou jornalista por formação e fotógrafo publicitário por profissão. Desde a minha infância sou apaixonado por tecnlogia, vídeo games e livros e foram esses três hobbies que moldaram a minha personalidade. Hoje tenho uma filha de 4 anos que virou personagem importante em minha vida e no site Nerd Pride, fazendo parte de diversos conteúdos que publico na categoria "Padawan".
Escolha um estilo de post
Post padrão
Postagem padrão, com formatação de textos e imagens
Lista
Listas clássicas da internet
Vídeo
Youtube, Vimeo ou Embeds do Vine
Imagem
Fotos e imagens
Gif
GIFS
Quiz
Série de perguntas com respostas certas e erradas que pretende verificar o conhecimento
Votação
Votar para tomar decisões ou determinar opiniões
Lista aberta
Envie seus próprios ítens e vote nos melhores envios
Listas por ranking
Clique acima ou abaixo para votar nas melhores listas
Meme
Faça upload de seus imagens e crie memes próprios