Lançado no mês de maio Minha Vida Fora dos Trilhos, este é o segundo livro da autora Clare Vanderpool lançado pela Darkside Books® na linha Darklove. O primeiro para quem não leu ou lembra foi o belíssimo Em Algum Lugar nas Estrelas, do qual também resenhamos aqui. Este exemplar na verdade foi o primeiro romance da autora, mas veio a ser publicado aqui no Brasil depois de Em Algum Lugar nas Estrelas pela editora.

A história se passa na pequena cidade de Manifest, Kansas. A protagonista é a jovem Abilene Tucker de apenas 12 anos. Ela foi parar nesta cidade graças ao seu pai Gideon, que por vivia com a filha pulando de trem em trem, mas com o crescimento da filha ele achou melhor deixá-la em um lugar fixo, enquanto ele partia com a promessa de que no verão retornaria para ela.

“Porém, acima de tudo, em sentia o gosto da tristeza na voz dele quando me disse que eu não poderia passar o verão com ele…”.

 

Abilene fica hospedada na casa de um pastor Howard, mais conhecido por Shady. O seu pai tem uma grande ligação com a cidade e principalmente com as pessoas de Manifest, mas aparentemente ninguém fala sobre isso, nem mesmo Gideon. Isso causa muita curiosidade em Abilene, pois ela pouco sabe sobre o passado do pai.

“Alguma coisa ficou me atormentando a noite inteira. Era Gideon. Onde ele se encaixava em tudo isso? Que ligação tinha com essa cidade? Com essas pessoas? Manifest foi o lugar que ele escolheu para me mandar, mas não parecia que ele mesmo tinha estado aqui.”

Abilene encontra escondido em baixo de uma tábua uma velha caixa de charutos e dentro dela está repleta de recortes de cartas e cartões postais escritos durante a Primeira Guerra Mundial. Dois jovens de Manifest se correspondiam. O jovem soldado Ned Gillen e o mais jovem Jinx. Abilene fica cada vez mais confusa até começar a frequentar o “Caminho da Perdição”. Calma, esse é o nome que está escrito no portão da casa de vidência da Srta. Sadie.

“Muito bem. O que quer? Sua sorte? Seu futuro?”

“Estou procurando o meu pai.”

E é assim que Abilene começa, a saber, sobre o passado de Manifest, através das lembranças guardadas dentro da velha caixa de charutos. O que houve com a cidade que tinha no letreiro “MANIFEST: UMA CIDADE COM UM PASSADO”. Ela irá muito mais longe do que imaginava.

“Talvez o mundo não fosse feito de universais que podiam ser arrumados em pacotinhos perfeitos. Talvez só tivesse pessoas. Pessoas que estavam cansadas, magoadas e sozinhas, da sua própria maneira e no seu próprio tempo.”

Entre o presente e o passado Clare Vanderpool, vai costurando os acontecimentos que tornaram Manifest a cidade que é hoje. São um retorno às origens, as raízes de um tempo que não pode ser recuperado. A história se passa entre 1936 e 1917. Durante as diversas seções com a srta. Sadie nos leva ao passado dourado de Manifest até a chegada da Primeira Guerra Mundial e a gripe Espanhola. Além das “visões” temos os recortes do jornal da cidade o Manifest Harold com o Suplemento de Noticias da Hattie Mae.

“Essa cidade imprimiu algo no seu pai, provavelmente mais do ele saberia dizer. E, às vezes, as marcas mais profundas são as que mais doem.”

Abilene embarca numa viagem ao passado para poder encontrar o seu pai e acaba encontrando muito mais do que procura. Manifest foi uma cidade criada basicamente por estrangeiros de diversas nacionalidades então cada personagem tem um passado interessante e por outras vezes difíceis. As desigualdades da época de 1917 são gritantes.

Assim como a protagonista se identifica com os personagens daquela cidade, nós os leitores também nos envolvemos com cada momento lembrado e com cada pessoa que é citada durante a narrativa. Passamos por momentos históricos importantes da época e de todas as dificuldades passadas por cada membro daquele lugar. Os amores, as aventuras clandestinas. Até nos depararmos com a dor, que virou saudade e que não volta mais. E ainda sim nos trás orgulho de ter pertencido há algo.

“Por intermédio daqueles objetos que eu encontrei embaixo de uma tábua do assoalho, a isca Wiggle King, o dólar de prata Cabeça da Liberdade, a rolha de Shady e a bonequinha de encaixe, eu estava conectada àquele lugar e àquelas pessoas… agora eram familiares a mim.”

É justamente isso que Abilene busca. Ver que ela e seu pai pertencem há algum lugar, que possuem raízes e não que são forasteiros que não criam vínculos com ninguém. Ela quer possuir um passado, uma história para reviver e contar, um lugar para chamar de seu que possa voltar e pessoas que possa amar. E Minha Vida Fora dos Trilhos é isso, é uma história de passado, de raízes, de tristeza e felicidade.

“Qual era o meu lugar? Onde era a minha casa?”

Assim como o primeiro livro que li de Clare Vanderpool, este também é tocante. Clare escreve sobre encontros e reencontros. Assim como Early queria encontrar o seu irmão, Jack queria se reencontrar com o pai (Em Algum Lugar nas Estrelas). Nesta outra narrativa é um reencontro com o passado. O encontro das raízes, de ligação e amor entre pessoas. Família, essa é a palavra, Clare fala sobre família, casa, um lar. Ela nos mostra dois tipos de família. A que nascemos e a que escolhemos.

Assim é Manifest, uma cidade criada e desenvolvida por imigrantes de diversas nacionalidades e que ainda sim se tornaram uma família, mesmo com todas as dificuldades que tiveram. Os personagens são carismáticos, principalmente os do passado. Você fica ansioso por cada ida de Abilene no “Caminho da Perdição”, quais fatos seriam descobertos e que fim teve cada personagem daquela antiga Manifest.

“[…] o que a mulher húngara disse os fez reconhecer de repente algo especial uns nos outros. Eles tinham o mesmo sangue. Sangue de imigrante.”

Sobre o trabalho editorial, sublime. Todo o aspecto do livro da capa ao miolo. Todo o trabalho minucioso da equipe deixou o exemplar lindo de morrer. Como praticamente todos os exemplares da editora este também é capa dura com ilustrações lembrando uma caixa de charutos by Cuba. A tradução foi de Debora Isidoro a mesma tradutora de Em Algum Lugar nas Estrelas.

Clare Vanderpool cresceu lendo livros em lugares incomuns: vestiários,banheiro,andando pela calçada (às vezes,dando com a cara em postes),igreja,aula de matemática. Ela desconfia que alguns professores sabiam que ela escondia um livro atrás do livro da escola,mas os bons nunca falaram nada.

Clare foi a primeira autora estreante a receber o cobiçado prêmio Jonh Newbery de mais distinta contribuição para a literatura infantil norte-americana,da American Library Association,por Minha Vida Fora dos Trilhos. Seu segundo romance,Em Algum Lugar nas Estrelas (DarkSide® Books,2016),foi eleito um dos Printz Honor Books em 2014. Clare mora em Wichita,Kansas,com o marido e os quatro filhos do casal. Saiba mais em clarevanderpool.com.

 

Título original| Moon Over Manifest

Título|Minha Vida Fora dos Trilhos

Ano| 2017

Gênero| Literatura Norte-Americana – Crise econômica

Editora| DarkSide Books

Tradutor| Débora Isidoro

Acabamento| Capa Dura

Páginas|320

ISBN| 978-85-945-4031-7