Combinando o dinamismo e a fluidez da narrativa militar espacial de Tropas Estelares e o humor sarcástico da série O Guia do Mochileiro das Galáxias, afirmo sem sombra de dúvidas, Guerra do Velho é o melhor livro de ficção científica publicado no Brasil em 2016!
Ainda estamos no primeiro semestre e pode soar até presunçoso, talvez até seja, mas é formidável a leitura desse livro.
Velho FotosLeve, inventivo e envolvente, Guerra do Velho é o melhor exemplo de que uma história jamais deveria ser estereotipada pelo seu gênero.
A narrativa em primeira pessoa apropria ao texto dinamismo e aliada a uma prosa corrente, permite que a história se desenvolva e avance de forma clara e prazerosa. Personagens pontuais que explicam aspectos e movem a história, são balanceados à narrativa de forma precisa e bastante funcional.
Questionador e com um quê de filosófico, Guerra do Velho é o primeiro de uma série. Publicado originalmente em 2005, atualmente o enredo já se expande em mais 6 títulos e alguns contos.
Velho Fotos (4)O septuagenário John Perry ingressou no Exército logo após o seu aniversário de 75 anos. Viúvo e sem grandes perspectivas diante de mais um ano de vida, opta por fazer parte das Forças Coloniais de Defesa.
Antes de ir a campo, logo nos primeiros dias, Perry convive com personagens que explanam e expandem a historia. São professores, físicos e até donas de casas, todos os idosos claros, que inseridos ao texto ambientam e segmentam a narrativa.
Velho Fotos (5)Em meio a isso, Perry se reconhece como um hábil militar e aprende a lidar com inúmeras tecnologias que serão imprescindíveis no seu enfrentamento contra alienígenas Universo a fora. Conhece raças e culturas extraterrenas, visita planetas que fazem de Pandora (aquele planeta de Avatar) parecer um mero satélite decorativo.
Conceitos físicos e biológicos são apresentados e embasados durante a narrativa, em passagens e inserções precisas que dão um tom por vezes até didático.
Com uma premissa inteligente e bem desenvolvida, o americano John Scalzi já demonstrava habilidade com as palavras na adolescência. Durante esse período, o autor mantinha a função de editor-chefe em um jornal local.
Velho Fotos (2)Desde 1998, o escritor mantém um blog pessoal, o Whatever.
É inegável a semelhança do título com Tropas Estelares, clássico do gênero de Robert A. Heinlein. É militarista, mas não tão panfletário quanto este, porém versa em caminhos semelhantes, mas particularmente distintos.
Durante a leitura encontramos os nomes de alguns cientistas, escritores, artistas e até físicos, que são implicitamente homenageados em personagens de grande e pouco relevância no enredo. É divertido identificar essas referências.
Velho Fotos (3)O livro apresenta uma trama embasada sobre diversos aspectos. Da perspectiva política, biológica e até filosófica, a história de Guerra do Velho, mesmo sendo uma leitura seccionada, proporciona um agradável e envolvente sentimento de satisfação ao fim de sua leitura. É percebido da parte do autor, um cuidado em humanizar a história, fugindo do automático do gênero de sci-fi espacial, o título se destaca por apresentar dramas e motivações verdadeiras e plausíveis dentro daquele contexto.
A escrita habilidosa de Scalzi é percebida na dimensão desse enredo, que se passando no espaço, utiliza toda sua infinitude para explorar e expandir sobre si mesmo como história.
Evito conhecer séries literárias por inúmeros motivos, mas pela exceção, me fiz à leitura de Guerra do Velho e pela sua funcionalidade, não há o que contestar, apenas atestar o óbvio:
Guerra do Velho é o melhor livro de ficção científica publicado no Brasil em 2016!

Velho Fotos (1)

GUERRA DO VELHO

ISBN: 9788576572992
Ano: 2016
Editora: Aleph
Número de páginas: 368
Acabamento: Brochura
Formato: 16x23cm