Diário de uma Escrava | A prisão não está somente fora,mas dentro de sua mente.

Lançado na reta final do ano de 2016, eu resolvi deixá-lo como a primeira leitura de 2017. Diário de Uma Escrava foi escrito por Rô Mierling, autora brasileira. A Darkside Books está começando a expandir o seu mercado nacional. Nesta obra temos a protagonista Laura que aos 15 anos foi sequestrada por um maníaco e mantida presa em um buraco, para ser usada como uma escrava sexual. A história relata o instinto de sobrevivência forte que os seres humanos possuem. Até onde você é capaz de ir para sobreviver?

Laura era uma menina feliz, que viva com os pais, frequentava a escola, a igreja, convivia com os amigos e o namorado Mauro, mas um dia ela notou que um homem estranho a observava. Na época ela achou um pouco estranho, mas nada comentou com a sua família ou amigos.

Eu era uma menina boba e apaixonada. Foi ali que senti aquela presença estranha pela primeira vez. Olhei pela janela e, do outro lado da rua, um homem alto, grande, meio encurvado, estava olhando direto para mim.

Assim como muitas outras garotas da idade, Laura fez pouco caso do estranho, até o fatídico dia em que o homem a abordou e a levou consigo. Foi a ultima vez que Laura foi vista por sua família. Laura é presa dentro de um buraco, onde passa fome, frio e o pior é o lugar onde ela é brutalmente estuprada diariamente pelo seu sequestrador, que ela nomeou de Ogro. Ele a violenta e a tortura de várias maneiras possíveis.

Eu chorava sem parar. Desmaiava de exaustão e acordava com os olhos tão inchados que mal podia enxergar. Foi assim até o primeiro estupro, quando senti o que era a verdadeira dor.

Além do caso de Laura, no decorrer do livro vemos outras meninas que fora aliciadas pelo mesmo maníaco. Como no caso de Fernanda. Desta vez ele utiliza-se de meios como a internet para poder se aproximar da vitima. Fingindo ser outra pessoa e dizendo justamente o que a vitima gostaria de ouvir. Fernanda foi pega na porta de sua casa facilmente.

Conheci David na internet… Ele me fazia sentir que eu era especial, importante, amada e desejada como nunca. Era um rapaz maravilhoso, estava no começo da faculdade e tinha 18 anos. Um verdadeiro príncipe.

Mesmo o Ogro tendo outras vítimas por fora, ele nunca libertava Laura. Já haviam se passado quatro anos desde que ela vira a luz do sol e a civilização pela ultima vez. Laura além de está firmemente presa ao buraco, também já estava refém de sua mente deturpada. Ela queria viver, mesmo que para isso ela tenha que se perder de quem ela era. O seu instinto de sobrevivência é mais forte do que ela mesma se julgava capaz. Ela queria sair e viver a todo custo.

Do fundo do meu coração, me vem uma vontade maligna de cravar os dentes no pescoço dele, mas outra vontade, ainda mais atroz, me ordena que eu levante e o abrace,implorando que ele nunca mais me deixe.

Entre os capítulos em que Laura escreve sobre os seus dias, intercalam-se capítulos envolvendo a família dela também. A sua mãe sofre diariamente com o sumiço da filha. A sua família nunca mais foi à mesma. E a mesma esperança que a filha carrega de um dia sair daquele buraco e voltar para casa, a sua mãe tem. Só assim ela consegue sobreviver a tanto tempo na ausência da filha.

Por toda eternidade, estaremos balançando lanternas na escuridão, chamando seu nome, nunca cansaremos de te procurar. Se conseguir escapar, volte para casa. Mas, se não conseguir,permaneça viva,estamos indo buscar você!

A menina feliz já não existe mais, aos poucos Laura vai se perdendo. Cada mudança que ocorre a transforma. A violência pela qual passa não só destruiu o seu corpo, mas principalmente a sua mente. Ela começa a sofrer de uma dependência doentia do seu sequestrador. Ele é a sua fonte de vida, sem ele ela morrerá. E mesmo que isso não ocorra aonde mais ela se encaixaria? Sua antiga vida é um sonho distante.

Ficava para trás a menina Ursinha, a Laura da mãe e do pai, a namoradinha do Mauro. Ficava para trás minha inocência, meu amor, minha paz, minha caridade e minha fé. Ficava para trás meu ser humano, e morava em mim agora uma escrava. Eternamente escrava.

As esperanças se foram. Ela seria para sempre uma escrava, que só tinha uma sobrevida. A qual conseguiu a duras penas. O seu novo lar era ali, não havia mais lugar para ela fora daqueles parâmetros. Por mais que ela tenha lutado, a sua mente não conseguia mais ver a Laura do passado. Ela já não conseguia mais se transportar para outro lugar quando sofria os abusos. A sua mente já não tinha mais espaço para esperança.

Você não sente nada, só o que eu mandar sentir. Lembre-se sempre de uma coisa: você não está livre, não está solta, não é nada, não é ninguém! Você é minha, minha menina, minha escrava. Você está mais presa do que antes…

O que dizer sobre este livro? Primeiro é que ele foi baseado em histórias reais. Laura é a junção de todas as meninas que sobreviveram para contar as suas trágicas experiências. As situações pelo que a protagonista passou, é a junção do que as sobreviventes passaram. O mesmo sentimento de amor e ódio. A dependência, o fim de sua sanidade. Tudo é retratado de forma crua e cruel, sem meias palavras, sem metáforas. Até que ponto o ser humano pode chegar para continuar vivendo? Até onde a sua mente pode aguentar ficar sã? Por quanto tempo você pode fugir dos martírios sofridos pelo corpo?

Quando a cela deixa de ser física e torna-se uma prisão mental? Até que ponto o homem pode ser cruel? Por que não reconhecemos as armadilhas? São tão toscas e ainda caímos nas armadilhas. São tantas as perguntas que nos fazemos no decorrer da narrativa e são tão poucas as respostas que conseguimos. Será que qualquer um de nós suportaria por tanto tempo o que tantas meninas passaram por anos a fio? Esquecidas pelas autoridades, mas sempre lembradas pela família, que se torna impotente com o passar dos anos. Essas meninas sobreviveram por tanto tempo, na esperança de que não foram esquecidas pelas autoridades. Mais são eles os primeiros a desistirem de salvá-las. Este livro é um aviso aos pais, para que monitorem melhor os seus filhos. Num mundo onde tudo está conectado 24 horas por dia, estamos sujeitos a vários tipos de golpe.

Nós somos monitorados por todos os lados, mas esquecemos de cuidar dos nossos bens mais preciosos. As crianças estão entrando no mundo cibernético cada vez mais jovem, os pais estão cada vez com menos tempo para educar os seus filhos. As crianças buscam refúgio e atenção nas salas de bate-papo, nas diversas redes sociais existentes, que conectam o mundo inteiro. Os pais por não terem tempo ou paciência pouco se importam ou procuram saber o que os filhos acessam com quem conversam e sobre o que conversam.

Na adolescência ainda estamos sendo moldados, tanto fisicamente como psicologicamente, é nesta fase onde estamos mais propensos a cair em conversas fiadas, em confiar piamente nos outros só por dizerem meia dúzia de palavras ensaiadas do que queremos ouvir. Ao ler os relatos cheguei a pensar diversas vezes como alguém pode se engabelar por tais coisas? Como você nota alguém te rondando e não diz a ninguém?  Isso acontece todos os dias por todo o mundo. Muitas jovens estão mortas por conta de sua ingenuidade e outras tantas podem estar enclausuradas talvez próximas a nós e não sabemos.

Quantas ainda estão presas esperando alguém para salvá-las, quantas aguardam a morte como a maneira para se libertarem. Para elas a morte não é uma maldição e sim uma libertação. Fica um aviso aos mais jovens, ponderem-se, peçam orientação, mas nunca, nunca se deixem levar por meia dúzia de belas palavras. Se alguém estranho lhe observa, comunique a alguém. Aos pais um conselho crucial, tenha mais tempo para observar e educar seus filhos, as velhas lições como: não fale com estranhos, não aceite nada de pessoas estranhas podem salvar mais vidas do que se possa imaginar. È um livro extraordinário e perturbador. A leitura é tão abrasadora que o li inteiro em um só dia.

Sobre a edição, bom só de postar a foto do livro ele já rendeu vários comentários do tipo “Que livro lindo”, por aí se tira que é um livro lindo mesmo. Capa dura com detalhes brilhosos na capa. As laterais das folhas possui um degradê que vai do tom azul, passa pelo lilás e se encerra no rosa. È um livro lindo com uma escrita maravilhosa de Rô Mierling. O considero o melhor livro lançado pela Darkside Books em 2016, esse te pega e dá umas tapas na cara da realidade.

Rô Mierling é gaúcha, escritora, ghost whiter e pesquisadora acadêmica há mais de dez anos. Autora de contos, poesias e crônicas, publicou Contos e Crônicas do Absurdo e organizou a antologia Amor e Morte, entre outros livros. Saiba mais em facebook.com/romierlingescritora.

Título original| Diário de Uma Escrava

Autor| Rô Mierling

Ano| 2016

Gênero| Literatura brasileira, Ficção Policial brasileira.

Editora| DarkSide Books®

Acabamento| Capa Dura

Páginas|224

ISBN| 978-85-945-4019-5

 

 

você pode gostar também Mais do autor